O mundo [Paula Ivony Laranjeira de Souza]

O mundo

Certa vez disseram-me que o mundo era tudo o que existia em todos os lugares. Hoje, depois de observações, estudos e análises, já tenho opinião formada sobre o assunto, e percebo que esse tudo tem infinitas possibilidades e consequentemente são vários os conceitos de mundo. 

O mundo para minha avó, uma velha sertaneja analfabeta, era uma criação divina que se reduzia àquilo que ela conseguia ver ou que ouvia falar que existia, sem uma plena consciência.

Mais precisamente se referia àquilo que estava fora do seu quintal e que englobava poucas cidades, o Sol, a Lua e as estrelas (estes deveriam ser apenas atores coadjuvantes, coisas pequenas, na proporção do que os seus olhos viam). Mas imagino que o mundo para minha avó, não era algo muito bom, pois ela vivia dizendo que o mundo botava os mais moços perdidos, falava de irmãos que sumiram no mundo, pelos quais esperou a vida toda reencontrar, mas sem sucesso. Outro fator que me faz crer que para ela o mundo era algo ruim se dá pelo fato dela passar toda sua vida desejando e se preparando para morrer: ela sairia deste mundo e iria para o céu, ou seja o único lugar bom que é onde Deus na sua trindade, Nossa Senhora, os anjos e santos estão. Ela sempre vivia dizendo que o mundo iria acabar “e quem viver, verá”. 

Por um tempo, o mundo foi para minha mãe o que era para minha avó, mas minha mãe, uma sertaneja que aprendeu ler e escrever em 30 dias, compreendeu e percebeu um dimensão  maior do espaço: ela sabe que existe outros planetas, a televisão mostra espaços que vão além dos quais ela conhece e que existe mesmo sem ela conhecer. No entanto, o mundo para ela se refere apenas ao planeta Terra ou como ela mesma diz: “o mundo é uma bola” e neste cabe países, estados e outros povos. No mundo da minha mãe a sua família é o núcleo central ou seu mundinho particular. Ela não deseja a morte, mas sabe que morrerá, e que com isso tudo acabará. Tenho a impressão que ela não espera por outro mundo depois da morte (não deixa transparecer), não alimenta essa esperança nas palavras cotidianas. 
Entretanto, acredita que minha avó está no céu, o que me faz compreender que ela espera que exista o céu para gozar da paz eterna, para falar com Deus e para reencontrar os que se foram e os que partirão depois dela.


Minha irmã – com Ensino Médio completo –  aproximadamente 20 anos mais velha do que eu compreende o mundo  como uma misteriosa criação divina, onde o homem vive uma grande ilusão. Segundo ela, somos criados no mundo, mas não pertencemos a este mundo.  O mundo para ela não deve ser muito bom especialmente porque o homem que nele habita o transforma em um lugar sofrível para uns e excelente para poucos. Claro que ela tem noções espaço-territóriais, mas não leva busca sempre o lado espiritual das coisas. Embora não tenha planos de morrer por agora ela espera o paraíso e vive encontrando indícios de que está próximo o fim do mundo.

“Mundo, mundo vasto mundo”[1] Drummond nos alerta sobre tal extensão. De olhos, racionalmente, abertos vejo o mundo como algo incomensurável, uma junção de espaço e seres que coexistem um em função do outro, é uma imensidão física e etérea na qual estamos inseridos. Entre explicações cientificas e religiosas crio a minha, que é bem menos complexa. Que pensem ser eu uma reducionista. Não me importa. Gosto desse meu mundo em tons de marrom que adentram neste momento às minhas pupilas e fazendo conexões mirabolantes se traduzem em imagem. Essa imensidão da qual faço parte, complexa e infinita em possibilidades de extensão, ultrapassa  a atmosfera terrestre, perambula entre o sistema solar, caminha na velocidade da luz, peregrina entre milhares de estrelas, e planetas e sistemas solares e ainda assim não podemos supor sua real dimensão. Rendo-me a necessidade de algo palpável e restrinjo minha concepção de mundo a esta bola azul que flutua no espaço e dá voltas no tempo, restrita ao sistema solar, a qual chamam de Terra. Abandono as “lonjuras” que desconheço, mas não as ignoro, pois seria desrespeito para com a obra de arte pincelada pelo criador e recriada a cada dia pelo ser humano, mesmo com suas controvérsias. Sei que existem outros recantos, mas não fazem parte do meu mundo. Numa decisão egoísta chamo de mundo apenas o espaço ao qual pertenço, o qual me olha com doçura e que, em retribuição, poetizo. Esse mundo é concretizado com a força do sorriso, a seiva do ternos, as amizades miraculosas, o som da chuva em salva de palmas, com a força revigorante e traiçoeira do Sol, com o brilho das estrelas em noites de Lua nova, e ainda, é composto pelo companheirismo dos velhinhos nas esquinas discutindo política, pela sabedoria dos diálogos incultos dos analfabetos, pela beleza poética do chão rachado, das árvores sem folhas que como fênix renascem todos os anos com a primeira chuva. Eis aí uma porção imagética-conceitual do mundo, do meu mundo, deste mundo que também é de Cora Coralina, de Quintana, de Manoel de Barros,  de Guimarães Rosa, de Adélia Prado, de Clarice Lispector e de tantos que veem ouro no cotidiano e nas coisas simples.

Ao trazer a visão de quatro gerações, percebe-se a multiplicidade de conceitos que tornam concreto este fascinante, misterioso e multifacetado mundo. Ao refletir sobre as visões empíricas, fugindo das explicações teóricas, e levando em conta a vivência e possíveis olhares de pessoas simples, entende-se que ele é uma infinita possibilidade em construção. Cada pessoa vive e tem um mundo diferente e próprio, mas ao mesmo tempo, cada um carrega um pouco o mundo de alguém. Minha mãe carrega o da minha avó, minha irmã e eu carregamos o da minha mãe e da minha avó que se somam aos mundos de tantas outras pessoas cujo resultado será o nosso, essa herança que legaremos àqueles que conquistamos ou que nos conquistaram. Percebe-se também, que a dimensão do mundo está intrinsecamente ligada ao nível de instrução da pessoa, quanto maior o conhecimento maior a possibilidade de alargamento do conceito e/ou visão do/de mundo.

[1] “Poema Sete faces”, de Carlos Drummond de Andrade.

Paula Ivony Laranjeira de Souza- Formada em Letras Vernáculas pela Universidade do Estado da Bahia-UNEB. Atualmente mantém o blog Pesponteando: retalhos literários.

0 comentários: